Opinião

Banner_Jose maria c s andre

A nova Missa

O Papa Francisco decidiu que, a partir deste ano, a Missa do dia seguinte à festa de Pentecostes passará a ser a memória litúrgica de “Maria, Mãe da Igreja”. Esta novidade acontecerá em todas as paróquias do mundo, culminando um itinerário de séculos.
Quando se reconstruiu a Basílica de São Pedro, com a forma que hoje lhe conhecemos, parte de uma coluna da primitiva basílica do século IV foi integrada na nova construção. A razão é que estava pintada nessa coluna uma imagem de Jesus com Nossa Senhora. A antiquíssima pintura foi emoldurada em maravilhosos embutidos de pedras coloridas, formando uma capela dedicada a Maria “Mãe da Igreja”.
Nas últimas décadas, a oração pela Igreja tornou-se cada vez mais urgente e Paulo VI, contra a opinião de muitos conselheiros, surpreendeu o mundo ao proclamar solenemente Maria como “Mãe da Igreja”, em pleno Concílio Vaticano II.
O Papa João Paulo II colocou na praça de S. Pedro uma reprodução grande, em mosaico, daquela imagem de Nossa Senhora Mãe da Igreja, oriunda da primitiva basílica vaticana. Além disso, acrescentou à ladainha do Terço a invocação “Mãe da Igreja, rogai por nós!”.
Também é do tempo de João Paulo II o pequeno mosteiro “Mãe da Igreja” nos jardins do Vaticano, onde agora vive Bento XVI.
Finalmente, esta decisão de Francisco de instituir a nova memória litúrgica.
No passado dia 10 de Maio, visitando a cidade de Loppiano, fundada pelo Movimento dos Focolares, via-se que o Papa estava feliz com tudo aquilo. Repetiu-o muitas vezes, animando os Focolares a prosseguirem o caminho começado. Um dos momentos mais calorosos foi o diálogo improvisado com milhares de Focolares, na esplanada do santuário. No final, o Papa acrescentou uma confidência:
– “Uma última coisa que faço questão de vos dizer. Estamos aqui diante do santuário de Maria “Theotokos” [em Loppiano], sob o olhar de Maria. Também nisto há uma sintonia entre o [Concílio] Vaticano II e o carisma dos Focolares, cujo nome oficial é Obra de Maria. No dia 21 de Novembro de 1964, no encerramento da terceira Sessão do Concílio, o Bem-aventurado Paulo VI proclamou Maria “Mãe da Igreja”. Eu próprio quis instituir esta memória litúrgica (…). Maria é a Mãe de Jesus e, Nele, é a Mãe de todos nós: a Mãe da unidade. (…) É um convite a metermo-nos na escola de Maria para aprender a conhecer Jesus, a viver com Jesus e de Jesus, presente em cada um de nós e no meio de nós. Não vos esqueçais que Maria era leiga, era uma leiga. A primeira discípula de Jesus, a sua Mãe, era leiga. Há aqui uma grande inspiração. Um bom exercício – eu convido-vos a fazê-lo – é tomar os episódios da vida de Jesus mais conflituais e ver como Maria reage. (…) Tu, imagina que a Mãe estava ali, que viu aquilo… como terá Maria reagido? Isto é uma verdadeira escola para caminhar. Porque ela é a mulher da fidelidade, a mulher da criatividade, a mulher da coragem, da “parresia” [do testemunho desassombrado], a mulher da paciência, a mulher que aguenta as coisas. Contemplai sempre isto: esta leiga, primeira discípula de Jesus, como reage nos episódios conflituais da vida do seu Filho. Ajudar-vos-á imenso!”.

Outras notícias em Opinião

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, uma pessoa extraordinária em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Há mais de duas décadas, trabalhava…

  • Michael Nnadi: 18 anos

    Nos anos 90, conheci dois padres do Ruanda. Um não tinha notícias da família há muito tempo, outro acabava de saber que todas as pessoas…

  • Aquilo que é

    Aquilo que é a língua portuguesa deixa-nos às vezes confundidos com aquilo que é a forma de falar de uns tantos. Modas… Começa nos meios…

  • Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, uma pessoa extraordinária em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Em vésperas do Dia dos Namorados,…

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…