Opinião

Banner_AfonsoLuis

A resignação de Bento XVI (I)

“Não pode a História ignorar este homem notável” – assim concluía o Diário de Notícias o Editorial de 13 deste mês, depois de enumerar os aspetos essenciais do pontificado de Bento XVI.
Deixando para mais tarde outras considerações sobre o papa resignatário, fixemo-nos numa breve análise histórica sobre o acontecimento que colheu o mundo de surpresa. É a segunda vez, na História, que a Igreja tem dois papas vivos. A primeira, no século XV, foi por ocasião do Cisma do Ocidente, no pontificado de Urbano VI, cujo comportamento, violento e agressivo, levou alguns cardeais a eleger Roberto de Genebra, que tomou o nome de Clemente III. Perseguido pelas tropas pontifícias, Clemente III foi obrigado a fugir para Avinhão e aí se fixou, passando a Igreja a ter dois papas. Isto acontece, curiosamente, por uma altura em que Portugal disputava a sua independência, e a batalha de Aljubarrota dá-se quando a Espanha obedecia ao antipapa de Avinhão, Clemente III, e Portugal seguia o papa de Roma, Urbano VI.
Durante o Concílio de Constan-
ça (1414 a 1418) o papa de Roma, Gregório XII, apresentou a sua renúncia, em 1415, tendo o papa de Avinhão, Bento XIII, sido deposto por um grupo de cardeais. Pôde assim ser eleito Martinho V, em Roma.
Voltará agora a Igreja a ter dois pontífices (o próximo papa) e o resignatário (Bento XVI). Há por isso quem receie que setores mais conservadores da Igreja, e designadamente boa parte da cúria romana, possam levantar reticências a esta situação, recusando reconhecer o novo papa eleito enquanto Bento XVI for vivo. Seria um novo cisma, de todo inconveniente para a vida da Igreja, hipótese que não prevejo. Mas não excluo algumas reações, pois, como defende o teólogo Carreira das Neves “é natural que algumas extremas-direitas da Igreja Católica fiquem chocadas com esta iniciativa de Bento XVI”.
Em próximo artigo veremos com mais detalhe este gesto de coragem, lucidez e honestidade.
(Continua)

Outras notícias em Opinião

  • Lista de compras: uma tarefa para o seu dia

    A população portuguesa, e não só, está a passar por um período extremamente difícil e sensível. A saúde, bem como a saúde, estão em risco.…

  • O que posso fazer para me sentir melhor de quarentena em casa?

    Caro leitor, cara leitora, Durante os últimos dias, tem sido visível a quantidade de notícias que surgem nas televisões e nas redes sociais, sobre o…

  • Testemunho. Uma jovem fala como vive a atual quarentena

    Acho giro como o mundo lá fora anda tão silencioso, as pessoas tão bem-educadas e reservadas. Mas basta um suspiro, um sorriso, um olhar para…

  • Televisão em Alcobaça no início das emissões

    A televisão começou a funcionar regularmente em Portugal em 1957. Mas já há algum tempo se falava do início das emissões, e até se dizia…

  • Nas ruas desertas de Roma

    A imagem tem a força de um filme épico: Francisco caminhando pelas ruas desertas de Roma, para rezar pela cidade e pelo mundo. Saindo a…

  • Papagaios, abutres e gente boa

    As calamidades trazem sempre à tona qualidades e defeitos das gentes que as vivem. Aquela em que nos encontramos já nos “revelou” que há na…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários desta vez são obviamente os…

  • “Una e santa”

    Pelo menos na Eucaristia de Domingo, no Credo, os católicos confessam que confiam na Igreja una e santa mas, perante a quantidade de protestos que…

  • Vamos açambarcar

    Está aí o Covid-19. Como tantas outras alturas de ameaça de crises, vamos lá a açambarcar. Dei por isto na passada semana quando fui ao…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários da nossa região são do…