Opinião

Banner_PedroCintra

Centro de Memória Viva

Um hotel de 5***** no Mosteiro? É pobre. No mínimo é uma discussão pobre, se sim ou não, quando deveríamos antes saber o quê e como fazer para este imenso edifício voltar a ser uma estrutura VIVA da Cidade. Que serviços deverá albergar. Com que objetivos. Em quanto tempo. O Mosteiro de Alcobaça é, pela sua NATUREZA, o lugar da religiosidade, o lugar da arte e da arquitetura, o lugar do conhecimento e, em última análise, o lugar da História. Uma religiosidade VIVA passa exclusivamente por garantir que os cristãos possam ter nele um lugar de culto? Uma arte e arquitetura VIVAS para que se usufrua dos espaços, se apreciem os valores arquitetónicos e a realização cisterciense nas mais diversas áreas artísticas, ou também para mostrar e criar arte? Um lugar de conhecimento VIVO essencialmente na possibilidade de transmissão dos saberes ancestrais ligados à agricultura, à hidráulica, ao uso dos solos, à administração do território e sobre os quais se produza novo conhecimento? Um lugar de História VIVA, onde se possa perceber como se estruturava a comunidade da Abadia, como nasceu a Cidade, a sua importância no contexto da Nacionalidade, como se fazia a administração dos Coutos, o contexto europeu à época da fundação, entendendo a História como instrumento para se entender o presente e projetar o futuro? Sabemos da importância da viabilidade económica que permita uma recuperação e manutenção sustentada do edifício. Mas se não sabemos o que queremos para o resto dos espaços como se podem negociar contrapartidas de forma assertiva com os eventuais interessados na exploração da unidade hoteleira? Quem deve/pode definir essas premissas? Os alcobacenses, a Câmara Municipal, a Direção do Monumento, a DGPC (Direção-Geral do Património Cultural)? Do cidadão comum devemos esperar o interesse e a exigência para que pelo menos o assunto não caia no esquecimento antes mesmo que caia o edifício. Estou certo que os alcobacenses abraçarão esta causa e porque não com um efetivo abraço ao Mosteiro?

Comentários (1)

  • Nuno Félix - 13 de Dezembro de 2013, 15:22

    Excelente reflexão, num momento em que cada vez mais, aquilo que a todos pertence apenas serve para fruição de alguns, é necessário não perder o norte nem trocar valores e história por um punhado de euros, que sabemos todos, não reverterão para a comunidade à qual pertence o Mosteiro.

Outras notícias em Opinião

  • A força de um discurso

    Notável peça de oratória. O discurso do Cardeal D. Tolentino Mendonça, no dia 10 deste mês, tem de tudo: história, filosofia, poesia, teologia… Já tive…

  • Extraordinários. Basílio Martins

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. “O meu general”. Assim lhe chamava o…

  • Recomeço das missas em comunidade presencial

    Depois de todo este tempo em confinamento, durante o qual estivemos privados do acesso direto à Sagrada Eucaristia, todos celebrámos, com muita expectativa, a possibilidade…

  • Consultório de Psicologia

    Tenho filhos em idade escolar que precisam de apoio ao estudo. Como posso apoiá-los de uma forma eficaz? Caro leitor, cara leitora, As crianças são…

  • Os Choctaw e a Covid

    A tribo dos índios Choctaw é a terceira maior tribo de índios norte-americanos, logo depois das tribos Cherokee e Navajo. Entre os anos 1830 e…

  • Joana do Mar

    Isolamento… Quarentena… Distância… Palavras estas mencionadas tantas vezes recentemente, mas que na realidade fazem parte da vida de emigrantes. O meu nome é Joana do…

  • Tempos conturbados e a política do momento

    Caro/a Munícipe, Não estamos a viver num período de normalidade politica e a potencialidade libertadora da internet e da democracia soam um pouco a ingenuidade,…

  • Extraordinários. Joaquim Augusto de Carvalho

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Quando podem chegar a Portugal, se aprovado…

  • Afinal o que é a “dieta”?

    Diariamente as pessoas colocam a palavra dieta no seu discurso. Dieta para aqui, dieta para ali! Dieta disto, dieta daquilo! Certamente já ouviu a expressão:…

  • O futuro das coletividades durante e pós pandemia

    É nesta altura que todos temos que refletir sobre o estado e o futuro das nossas coletividades que sempre desempenharam um papel importantíssimo nas freguesias…