Opinião

Construção da Afetividade e da Sexualidade

Aproxima-se o dia dos Namorados, esta data leva-nos à reflexão da afetividade, do namoro e até da sexualidade nos dias de hoje!

A nossa sexualidade e reprodução é uma qualidade intrínseca pelo facto de sermos uma espécie gonocórica (existem indivíduos de sexo feminino e outros de sexo masculino), esta condição promove o encontro de corpos, a genitalidade para que se possam encontrar as duas células sexuais que originaram cada um de nós.

A meu ver, a sexualidade é uma força e um dinamismo de vida que não se esgota na relação sexual, mas que se exprime numa relação pessoal alargada e enriquecida de mil maneiras, que se traduzem em doação, respeito e entreajuda. A atividade sexual, a qualquer nível, é sempre humana e humanizadora por isso, não se pode separar da afetividade. A sexualidade é também biográfica e em cada um de nós é vivida na sua biografia pessoal.

As estatísticas continuam a apontar para valores crescentes de Doenças Sexualmente Transmissíveis, gravidez na adolescência, Interrupção Voluntária da Gravidez, abusos sexuais, etc…, e questionamos: Como é possível numa sociedade em que a informação se encontra tão disponível?

Na verdade a informação, por muito adequada que seja, feita com muita delicadeza, respeito, coerência, firmeza e desprovida de tabus, não gera mudança de comportamentos!

Não basta que se ensine aos mais novos a “mecânica” da sexualidade. Os pais e adultos próximos devem aproveitar os canais de comunicação que se abrem numa ação pontual na escola, numa reportagem na TV, num facto ocorrido no círculo próximo, para dialogar num ambiente mais íntimo. Temos de lhes permitir saber pensar, a um nível muito profundo, no sentido que os seus corpos, os seus órgãos genitais e a sua sexualidade são algo de que se devem regozijar (se amarmos os nossos corpos mais dificilmente abusaremos deles e dos outros). Conduzi-los pelo caminho que os levam a serem pessoas equilibradas, capazes de escolher o que as dignifica, alegres e respeitadoras de si próprias e dos outros.

Disfrutemos este dia, com afecto e ternura, semeando AMOR!

Outras notícias em Opinião

  • A força de um discurso

    Notável peça de oratória. O discurso do Cardeal D. Tolentino Mendonça, no dia 10 deste mês, tem de tudo: história, filosofia, poesia, teologia… Já tive…

  • Extraordinários. Basílio Martins

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. “O meu general”. Assim lhe chamava o…

  • Recomeço das missas em comunidade presencial

    Depois de todo este tempo em confinamento, durante o qual estivemos privados do acesso direto à Sagrada Eucaristia, todos celebrámos, com muita expectativa, a possibilidade…

  • Consultório de Psicologia

    Tenho filhos em idade escolar que precisam de apoio ao estudo. Como posso apoiá-los de uma forma eficaz? Caro leitor, cara leitora, As crianças são…

  • Os Choctaw e a Covid

    A tribo dos índios Choctaw é a terceira maior tribo de índios norte-americanos, logo depois das tribos Cherokee e Navajo. Entre os anos 1830 e…

  • Joana do Mar

    Isolamento… Quarentena… Distância… Palavras estas mencionadas tantas vezes recentemente, mas que na realidade fazem parte da vida de emigrantes. O meu nome é Joana do…

  • Tempos conturbados e a política do momento

    Caro/a Munícipe, Não estamos a viver num período de normalidade politica e a potencialidade libertadora da internet e da democracia soam um pouco a ingenuidade,…

  • Extraordinários. Joaquim Augusto de Carvalho

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Quando podem chegar a Portugal, se aprovado…

  • Afinal o que é a “dieta”?

    Diariamente as pessoas colocam a palavra dieta no seu discurso. Dieta para aqui, dieta para ali! Dieta disto, dieta daquilo! Certamente já ouviu a expressão:…

  • O futuro das coletividades durante e pós pandemia

    É nesta altura que todos temos que refletir sobre o estado e o futuro das nossas coletividades que sempre desempenharam um papel importantíssimo nas freguesias…