Opinião

josealbertovasco

DAR MÚSICA À(S) MÚSICA(S) – O Seu Programa de Governo

Quando me falam em política cultural recordo sempre um eterno amigo, diretor de uma conhecida banda filarmónica, que me contava ter geralmente de se deslocar a Espanha para comprar partituras de repertório para esse género de agrupamento, raramente disponíveis no nosso mercado. Esse é um dos tipos de problema existentes nesta área, relembrando ser essencial que o Estado providencie infraestruturas e meios logísticos de suporte a quem nela trabalha. E aqui será adequado evidenciar que os portugueses continuam descartados de uma educação musical de base, que o ensino público apenas promove numa reduzida parte dos seus programas. Essa formação continua assim a ser essencialmente providenciada por instituições como bandas filarmónicas e escolas de música privadas, bem como pela pesquisa individual. Manuel Maria Carrilho teve a virtude de ser um Ministro da Cultura que soube cimentar uma eloquente racionalidade estrutural, conseguindo, segundo as suas sensatas palavras, “equilíbrio dinâmico entre defesa e valorização do património, apoio à criação artística, estruturação do território com equipamentos e redes culturais, aposta na educação artística e na formação dos públicos”. O resultado mais significativo desse seu procedimento foi a consolidação da nossa atual rede de cineteatros, que disseminou pelo país as possibilidades de programar espetáculos com a melhor qualidade possível. Geri-la exige a sabedoria de entregar a sua gestão a quem saiba potenciá-la e garantir uma programação cuidada e eclética, que saiba articular artistas locais, nacionais e internacionais, o que nem sempre tem sucedido.
Conhecer e saber entender e investir no imenso talento musical de muitos portugueses deverá ser sempre o objetivo máximo de qualquer política cultural. E é lógico que fiquemos apreensivos quando cerca de metade do nosso Orçamento de Estado para a Cultura em 2016 se destina a alimentar os maus vícios de um canal de televisão supostamente público…

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…