HC Turquel fez sofrer o SL Benfica

Foto por Sara Susano

O Hóquei Clube de Turquel (HCT) complicou e muito tarefa (que muitos porventura esperariam que fosse fácil) do atual campeão nacional, Sport Lisboa e Benfica (SLB), em partida da 9ª jornada do Nacional da 1ª Divisão. Num jogo que marcava o regresso da equipa da Luz à “aldeia do hóquei em patins”, os turquelenses surpreendiam ao vencer ao intervalo por 5-2, mas os encarnados tiveram mesmo que “puxar dos galões” na segunda parte, vencendo por 6-7.

O Benfica até começou a partida a saber da derrota do rival Futebol Clube de Porto no pavilhão da Física de Torres Vedras, mas nem isso “espicassou” as águias para uma forte entrada no jogo e foi mesmo a turma de João Simões a encostar os encarnados à sua área defensiva. Primeiro foi Paulo Passos a falhar uma oportunidade flagrante, depois um livre direto a favor dos turquelenses mas Vasco Luís perdeu o duelo com Ricardo Silva.

Depois seria Tuco a sofrer falta dentro da área turquelense, com o próprio argentino a ser chamado à marcação mas permite a defesa a Marco Barros. O ritmo de jogo era alucinante e à passagem do minuto 9′ seria mesmo o HCT a inaugurar o marcador por Daniel Matias, numa stickada forte e colocada que colocou o pavilhão que estava a “rebentar pelas costuras” em delírio. O Benfica parecia desligado do jogo mas o experiente Carlos Lopéz viria a empatar dois minutos depois. O professor Luís Sénica lançava no jogo Diogo Rafael, o hoquista turquelense regressava ao pavilhão que o viu nascer para a modalidade, numa entrada muito aplaudida pelo público de Turquel.

Paulo Passos não perdeu tempo a colocar a equipa da casa em vantagem no marcador, no primeiro remate Ricardo Silva conseguiu defender bem mas na recarga o “prodígio” turquelense colocou a bola no “buraco da agulha” e fez o 2-1. No entanto um minuto depois (18′), Diogo Rafael em jogada individual consegue o remate e empata a partida, num golo em que fica a dúvida se a bola ultrapassa na totalidade a linha de golo.

O Benfica empatou mas os turquelenses não se intimidaram e partiram para um final de primeira parte verdadeira frenético.  Ao minuto 21′ foi Paulo Passos com uma assistência soberba com Pedro Vaz a confirmar o 3-2. O campeão nacional não reagia e Fábio Alexandre um minuto depois aumentava para 4-2 (22′). Era a grande a festa das cerca dos adeptos turquelenses e a verdade é que essa alegria contagiava a equipa, de maneira que já no último minuto da primeira parte Vasco Luís de livre direto fazia o 5-2 a castigar uma falta de Marc Coy. 1ª parte de grande qualidade da equipa comandada por João Simões, que foi superior e que colocou em sentido um adormecido Benfica.

O HCT regressava dos balneários com uma vantagem de três golos, mas sabia que iria ter que aguentar a grande pressão do Benfica na segunda parte. E na verdade, Luís Sénica deve ter dito das boas ao intervalo aos seus jogadores, porque vieram para a segunda parte com a vontade e a confiança que poderiam dar a voltar ao marcador.

Apesar da grande pressão encarnada seria do HCT a primeira oportunidade de golo deste segundo tempo com Vasco Luís a rematar ao poste. Aos 27 minutos, Luís Viana reduz para 5-3 com alguma sorte “à mistura”, mas um minuto depois Paulo Passos viria a bisar na partida, apontado o 6-3. Tarefa complicada para os encarnados, que sentiam que não estavam a exibir-se ao seu melhor nível e o capitão Valter Neves era a voz da insatisfação perante os colegas. Na verdade é que o Benfica a partir deste momento fez uma pressão intensa com trocas de bola rápidas, criando muitos problemas para a formação turquelense. Primeiro foi Tuco a fazer o 6-4 ao minuto 32′. Logo de seguida, 10ª falta da equipa da casa e Carlos Lopez perante Marco Barros não desperdiçou e fez o 6-5. As águias aceleravam e eram implacáveis no último reduto turquelense, Valter Neves numa boa jogada individual assiste Cacau para o 6-6.

A equipa da “aldeia do hóquei em patins” não conseguia libertar-se da pressão da equipa encarnada e Luís Viana numa grande jogada individual por trás da baliza, tira um “coelho da cartola” e colocou pela primeira vez o Benfica na frente do marcador. O HCT viria a ter uma grande oportunidade para voltar a empatar, depois da 10ª falta dos encarnados, mas Vasco Luís voltou a não superar o guardião benfiquista, Ricardo Silva. A equipa da casa melhorou apoiada pelo excelente público e numa boa jogada entre Paulo Passos e Vasco Luís, este último permitiu uma defesa apertada ao guardião forasteira.

Já nos minutos finais da partida, o HCT atinge a 15ª falta e chamado a converter Marc Coy permitiu mais uma grande defesa a Marco Barros. Em cima do apito final, Daniel Matias rematou de meia distância mas Ricardo Silva atento conseguiu segurar a suada vitória do Benfica.

Excelente jogo de hóquei em patins, um verdadeiro “hino à modalidade” com todos os “ingredientes” necessários do início ao fim. Golos, emoção, hóquei de grande qualidade e um público verdadeiramente fantástico que encheu por completo o pavilhão turquelense e criou uma “moldura humana” fascinante. Grande jogo da equipa comandada por João Simões, que fez uma primeira parte de altíssimo nível merecendo inteiramente a vantagem ao intervalo, mas na segunda parte não conseguiu conter a pressão do campeão nacional que teve de “suar” muito a camisola para sair de Turquel com os três pontos e a liderança isolada do Campeonato Nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PRIMEIRA PÁGINA

PUBLICIDADE

Publicidade-donativos

NOTÍCIAS RECENTES

AGENDA CULTURAL

No data was found