Opinião

Banner_AfonsoLuis

Liberdade de expressão

A carnificina do Charlie Hebdo, Paris, 7 deste mês, repôs na ordem do dia dois temas: o extremismo da jihad e o problema da liberdade de expressão. Quanto a este, muito se tem dito e discutido, parecendo, contudo, bastante simples chegar a uma conclusão. Liberdade de expressão, sim. Mas com ou sem limites? Vejamos: esta é a liberdade que separa os regimes democráticos dos regimes totalitários e tiranos, a liberdade que permite que a verdade desponte sem rodeios e que faz crescer os indivíduos e as comunidades. Mas… com ou sem limites?
O Papa Francisco, na linguagem simples e direta a que já habitou o mundo, defendeu que há que ter cuidado no uso dessa liberdade para não ofender os outros, que também têm a liberdade de se sentir ofendidos. O professor Paulo Mendes Pinto, da Universidade Lusófona, vai mesmo ao ponto de afirmar que, por exemplo “a liberdade de blasfemar implica uma assunção da superioridade do não religioso face ao religioso. É uma herança neopositivista que em nada fomenta o diálogo e a paz social.”
Voltamos à questão dos limites. Que limites? Onde começam e onde acabam? Ora, limites legais, nunca! Mas há limites – são os limites do bom senso. Bom senso de quem escreve ou de quem desenha. Nós escolhemos os textos dos autores que apreciamos, escolhemos os artistas de que gostamos, escolhemos os espetáculos que nos interessam e, certamente, pomos de lado o que se nos afigura tonto, não ter senso, ou aquilo que nos agride. A liberdade mantém-se – a do emissor e a do recetor. É também assim na relação comum entre os indivíduos. Há quem se designe por ser muito frontal, muito sem papas na língua, que diz aos outros com clareza o que pensa deles. Terá o direito de o fazer? É que aquilo que pensa pode não corresponder bem à verdade e, mesmo que corresponda, o outro poderá sentir-se magoado ou ofendido. Pois é, a liberdade de expressão tem sempre limites: os do bom senso.

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…