Opinião

Banner_AfonsoLuis

Muito ricos e muito pobres

A desigualdade é um problema à escala mundial. Ricos e pobres encontram-se cada vez mais distantes. Estima-se que, em 2015, a riqueza acumulada por 1% da população do globo tenha sido superior à dos restantes 99%. Enquanto que, nos países escandinavos, por exemplo, o índice de desigualdade é menor, Portugal posiciona-se no extremo oposto. Esta é uma das ideias expostas por Joseph E. Stiglitz na conferência que proferiu no passado mês de dezembro, na Fundação Calouste Gulbenkian. Joseph Stiglitz recebeu em 2001 o Prémio Nobel da Economia e é, juntamente com Paul Krugman e Thomas Piketty, um dos mais respeitados economistas do mundo. Stiglitz considera que a desigualdade não se limita à vertente económica e financeira, mas é transversal à sociedade, designadamente nos domínios da saúde e da justiça, afirmando mesmo que “a desigualdade é uma escolha dos nossos sistemas políticos”. E acrescentou: “Sabemos que a austeridade leva a menor crescimento económico. A questão não é por isso económica, mas sim política. Mais rendimentos no topo, mais pessoas na pobreza e um esvaziamento da classe média, que tem sido fustigada”. Considerou ainda Sgtiglitz que Portugal pode inverter a tendência, pois já sofreu demasiado. E disse que “a política de austeridade não só está a enfraquecer a economia atual, como está também a ameaçar a possibilidade de Portugal crescer no futuro.” Entre as medidas que o economista aponta conta-se o aumento de impostos mas que não prejudiquem os mais pobres, que é o que tem acontecido, e preconiza mesmo impostos mais progressivos sobre o património, como forma de gerar receitas sem aumentar a desigualdade ou prejudicar o crescimento.
Joseph Ftiglitz é pois, um nome a fixar, uma vez que é considerado uma das 100 personagens mais influentes do mundo. Crítico feroz das políticas de austeridade adotadas na Zona Euro, foi dos poucos a prever a crise internacional desencadeada em 2008. Este norte-americano é por isso chamado de Senhor Anti-Austeridade.

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…