Opinião

Banner_Antonio guerra_COMCARGO

Não foi só o muro que caiu!

Quando a natureza nos mostra a sua força pouco podemos fazer. Todavia, tal não deve demitir-nos de assumir tudo o que pode ser feito e, neste sentido, temo que a queda do muro junto à ponte do Alcoa possa gerar algumas confusões.
Dada a importância do local para a Cidade, a reconstrução arrancou sem demora. Mas esse é apenas o mínimo exigível e é aqui que se pode gerar alguma confusão já que, convém não esquecer, a enxurrada teve muitas outras consequências.
No jardim da Câmara Municipal, recentemente inaugurado, o mar de lama e a força das águas causaram o mesmo de sempre. A piorar, um dos argumentos mais utilizados para justificar a intervenção no jardim era o de que ficariam resolvidos os problemas de escoamento das águas pluviais para aquela zona.
Depois de mais de 2 milhões de euros investidos, o resultado do argumento ficou à vista: na primeira chuvada a sério, tampas a saltar e tudo alagado!
Pelo que insisto em perguntar, reforçado pela falácia do argumento, se o dinheiro investido não teria sido muito mais bem utilizado se os investimentos fossem decorrentes a uma estratégia de desenvolvimento que tivesse identificado áreas e locais verdadeiramente necessitados, porventura muito mais úteis às populações e a requererem menor investimento.

E agora? Agora, o que está feito, feito está! Pelo que, resta aproveitar a ocorrência para finalmente olharmos atentamente para os rios que nos dão nome e dar-lhes a dignidade que merecem.
Se os Monges aqui ficaram foi porque logo eles, e há tantos séculos, perceberam a sua importância.
Cingindo-nos à Cidade, recuperar o espelho de água junto ao passeio pedonal (represando o Alcoa junto à Alimentícia, agora Biblioteca Municipal) ou recolocar uma nora junto à saída do túnel do Baça (no largo da Rua 16 de Outubro), opção que exigiria uma intervenção mais delicada, são apenas duas ideias para o que pode ser feito. E muitas outras existirão.
Limpá-los? Se for só isso, estamos outra vez a falar de mínimos e a resumir esta questão à estética da sua limpeza e manutenção, o que é elementar que já devia estar a ser feito, fosse por quem fosse.
Para mim, o que é verdadeiramente importante é desenvolver uma estratégia que permita devolver os rios à Cidade, evitando que voltem ao estado em que se encontravam e integrando-os na nossa vida.
Se não, como no jardim, gasta-se e pronto, já está!

Outras notícias em Opinião

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…