Opinião

Banner_AntonioGuerra

O Hotel: só podemos ser contra ou a favor?

Muito se vai discutindo sobre a construção do hotel de luxo no Mosteiro de Alcobaça.
Infelizmente, a ausência estratégica que caracteriza os últimos tempos do Concelho, vem permitindo reduzir o tema a sermos “contra” ou “a favor”, tornando-nos “bons” ou “maus” conforme a perspetiva, como se fosse possível ser contra a evolução.
O mais importante é discutir o essencial: mercado, tipo de hotel, dimensão, características, meios e quando construir, tipologia de investidores a privilegiar e enquadramento num plano estratégico de desenvolvimento, não apenas turístico, que sabemos não existir.
É neste âmbito que devemos debater e ver esclarecidos muitos aspetos, desde logo, o significado de “luxo”: se tão só assegurar a dignidade que o local impõe; ou apostar num luxo que o tornará inacessível à maioria de nós.
Também, se valerá a pena avançar antes de resolvidos problemas como os das ruínas da rua D. Pedro V ou do gaveto entre as ruas 16 de outubro e Alexandre Herculano, das casas deterioradas, da ausência de uma rede de restauração ou de uma oferta turística globalmente organizada.
Isto é, não avançar antes de pensar, conscientemente, no que está a acontecer ao centro histórico.
Esta discussão, antes de qualquer decisão, deverá contribuir para uma participação alargada na construção de uma estratégia que sustente a bondade do projeto, mas como componente do desenvolvimento integrado de Alcobaça, e não como mais uma medida avulsa da navegação à vista em que vivemos.
Quanto a mim, o desenvolvimento de Alcobaça não pode resumir-se a uma querela em que, conforme as perspetivas, somos transformados em “bons” ou “maus” e não encontro razão para o reduzir a ser “contra” ou “a favor”, inviabilizando a consideração de tantos contributos que só podem valorizar qualquer decisão a tomar.
E neste assunto, como em todos os que requerem ponderação e consenso, temos de alterar rapidamente a mentalidade instalada.

Outras notícias em Opinião

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, uma pessoa extraordinária em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Há mais de duas décadas, trabalhava…

  • Michael Nnadi: 18 anos

    Nos anos 90, conheci dois padres do Ruanda. Um não tinha notícias da família há muito tempo, outro acabava de saber que todas as pessoas…

  • Aquilo que é

    Aquilo que é a língua portuguesa deixa-nos às vezes confundidos com aquilo que é a forma de falar de uns tantos. Modas… Começa nos meios…

  • Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, uma pessoa extraordinária em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Em vésperas do Dia dos Namorados,…

  • Jesus a espreguiçar-Se

    Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…