Opinião

Banner_AntonioGuerra

O Hotel: só podemos ser contra ou a favor?

Muito se vai discutindo sobre a construção do hotel de luxo no Mosteiro de Alcobaça.
Infelizmente, a ausência estratégica que caracteriza os últimos tempos do Concelho, vem permitindo reduzir o tema a sermos “contra” ou “a favor”, tornando-nos “bons” ou “maus” conforme a perspetiva, como se fosse possível ser contra a evolução.
O mais importante é discutir o essencial: mercado, tipo de hotel, dimensão, características, meios e quando construir, tipologia de investidores a privilegiar e enquadramento num plano estratégico de desenvolvimento, não apenas turístico, que sabemos não existir.
É neste âmbito que devemos debater e ver esclarecidos muitos aspetos, desde logo, o significado de “luxo”: se tão só assegurar a dignidade que o local impõe; ou apostar num luxo que o tornará inacessível à maioria de nós.
Também, se valerá a pena avançar antes de resolvidos problemas como os das ruínas da rua D. Pedro V ou do gaveto entre as ruas 16 de outubro e Alexandre Herculano, das casas deterioradas, da ausência de uma rede de restauração ou de uma oferta turística globalmente organizada.
Isto é, não avançar antes de pensar, conscientemente, no que está a acontecer ao centro histórico.
Esta discussão, antes de qualquer decisão, deverá contribuir para uma participação alargada na construção de uma estratégia que sustente a bondade do projeto, mas como componente do desenvolvimento integrado de Alcobaça, e não como mais uma medida avulsa da navegação à vista em que vivemos.
Quanto a mim, o desenvolvimento de Alcobaça não pode resumir-se a uma querela em que, conforme as perspetivas, somos transformados em “bons” ou “maus” e não encontro razão para o reduzir a ser “contra” ou “a favor”, inviabilizando a consideração de tantos contributos que só podem valorizar qualquer decisão a tomar.
E neste assunto, como em todos os que requerem ponderação e consenso, temos de alterar rapidamente a mentalidade instalada.

Outras notícias em Opinião

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…

  • Princípio da solidariedade

    O princípio da solidariedade é o último dos seis consagrados no Compêndio da Doutrina Social da Igreja (CDSI): ele sintetiza de algum modo os restantes,…

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…