Opinião

banner_ana-scanlon

Por que ganhou Trump

Num tempo em que os cidadãos americanos se tornaram cada vez mais desconfiados do governo, acusando os seus representantes de se tornarem políticos de carreira interessados em servir-se a si próprios e não o povo, esta eleição foi o «ano do outsider». Os candidatos disputaram entre si o título de ‘maior outsider’. Procurando distanciar-se do sistema político, vários invocaram o facto de nunca terem exercido cargos políticos ou as vezes em que se rebelaram contra o regime.
Donald Trump era claramente o maior outsider de todos desde o início. Prometendo ser um líder mais honesto e confiável, começou a destacar-se e os comentários ultrajantes que fez capturaram as manchetes de notícias e tempo de antena na televisão. Lentamente, Trump bateu todos os seus concorrentes, incluindo aqueles que pareciam escolhas óbvias tendo em conta a sua experiência, como Jeb Bush, irmão do ex-presidente George W. Bush, e ganhando a indicação do Partido Republicano, tornou-se numa de duas escolhas para presidente.
A sua oponente, Hillary Clinton, era vista por muitos como a encarnação do que muitos americanos haviam crescido a odiar: uma política com uma carreira de trinta anos, cujo marido já tinha sido presidente. Numerosos escândalos surgiram sobre Clinton, apoiando a ideia de que esta era corrupta. E Trump continuou a fazer comentários ofensivos, tornando-os nos dois candidatos menos populares na história da nação. Ainda assim, quase todas as sondagens mantiveram até ao fim Hillary Clinton como vencedora e por uma grande margem.
Incomodados com as alternativas, a participação dos eleitores foi a mais baixa nas últimas duas décadas, especialmente entre eleitores chave para os democratas e Hillary Clinton. Já os eleitores de Trump apresentaram-se em maior número. Especialmente os trabalhadores das classes baixas, sentindo-se enganados pelos políticos durante anos, votaram no candidato que desafiava tudo o que tinham visto nos seus líderes até agora. E Trump, apesar de só ter recebido o apoio de dois grandes jornais nacionais e abandonado por grande parte de seu partido, venceu.

Outras notícias em Opinião

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…

  • Opinião. O elixir da vida eterna

    É mesmo simples: «Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue tem a vida eterna, e Eu ressuscitá-lo-ei no último dia» (Jo 6,…

  • Um caminho por baixo de terra

    Inesperadamente (29 de Junho), o Papa Francisco entregou ao Patriarca Bartolomeu, de Constantinopla, nove fragmentos ósseos de há dois mil anos, provenientes de uma tumba…