Rudolf Höss

José Maria André
Professor do I. S. Técnico

O recente filme de Jonathan Glazer, estreado em janeiro de 2024, que não vi, foi a ocasião de um amigo me falar da história do personagem central, um monstro chamado Rudolf Höss. Não confundir com o conhecido Rudolf Hess, braço direito de Hitler.
Rudolf Höss nasceu numa família católica alemã, mas cedo se tornou ateu. Na Primeira Guerra Mundial começou por trabalhar num hospital militar; depois, com 14 anos, alistou-se no exército alemão; aos 15 anos combateu no Iraque, na Palestina, chegou a comandante de cavalaria, foi ferido várias vezes, recebeu altas condecorações. Nesse período, não longe dali, ocorreram o genocídio arménio e o genocídio assírio. Quando a guerra acabou, Höss voltou à Alemanha para fazer o ensino secundário. Juntou-se ao partido nazi, foi parar à prisão por desacatos com homicídio, voltou à liberdade graças a uma amnistia. Com a tomada de poder pelo partido nazi começou uma carreira abominável. É difícil selecionar exemplos. Responsável pelo campo de concentração de Sachsenhausen, mandou que todos os prisioneiros que não estavam a trabalhar formassem ao ar livre, mal vestidos, num dia de Inverno, com 26 graus negativos. Quando alguém tentou levar alguns indivíduos congelados para a enfermaria, mandou fechar as portas. 78 prisioneiros morreram durante o dia e mais 67 à noite.
O cargo mais conhecido de Rudolf Höss foi o de diretor do campo de concentração e de extermínio de Auschwitz. Todos os dias chegavam vários comboios com milhares de prisioneiros cada um, para serem mortos. A operação de matar foi-se aperfeiçoando e, segundo o próprio Rudolf Höss, o processo era bastante eficiente, a limitação estava na capacidade das gigantescas fornalhas que queimavam os corpos. Num primeiro cálculo, Höss afirmou que em Auschwitz mataram 2,5 milhões de pessoas e outro meio milhão morreu de fome e doença; mais tarde, pensando na capacidade das câmaras de gás, achou que 1 a 2 milhões seria mais realista que 2,5 milhões. A própria ligeireza destas apreciações é chocante.
O relatório do psicólogo que examinou Höss na altura do julgamento expressa a que ponto chegou a depravação: «Höss é perfeitamente objetivo e neutro, (…) tem demasiada apatia para se pensar que tenha algum remorso e até a hipótese de vir a ser enforcado não parece incomodá-lo. Fica-se com a impressão de um homem intelectualmente normal, mas com a apatia esquizóide, a insensibilidade e falta de empatia que dificilmente se encontrariam num caso de psicose propriamente dita». O elemento que mudou uma personalidade tão horrorosa foi a bondade com que os carcereiros polacos o trataram. Höss esperava vingança e, afinal… Numa mensagem ao advogado de acusação escreveu:
«A consciência obriga-me a esta declaração. Na solidão da minha cela, acabei por reconhecer amargamente que pequei gravissimamente contra a humanidade. (…) Fui responsável por parte dos planos cruéis de destruição humana. Infligi feridas terríveis à humanidade. Causei um sofrimento indescritível sobretudo ao povo polaco. (…) Que Deus me perdoe o que eu fiz. Peço desculpa ao povo polaco. Nas prisões polacas experimentei pela primeira vez o que é a bondade humana. Apesar de tudo o que aconteceu, trataram-me com uma simpatia que eu nunca poderia esperar, o que me envergonha profundamente. Que a atual divulgação destes horríveis crimes contra a humanidade faça com que seja impossível estes actos cruéis repetirem-se alguma vez». Poucos dias antes do enforcamento, Höss converteu-se. O padre Władysław Lohn confessou-o e no dia seguinte foi dar-lhe a Comunhão.
Em carta de despedida à mulher, Höss escreveu:
«(…) Vejo hoje claramente, de forma muito dura e amarga para mim, que toda a ideologia em que eu acreditava tão firme e inabalavelmente se baseava em premissas completamente erradas e tinha de se desmoronar absolutamente um dia. (… ) As minhas ações ao serviço desta ideologia estavam completamente erradas, (…) o meu afastamento de Deus baseava-se em premissas completamente erradas. Foi uma luta difícil. Mas voltei a encontrar a fé no meu Deus».

Despediu-se de um dos filhos, escrevendo:

«Mantém o teu coração bom. Deixa-te guiar principalmente pela ternura e por sentimentos humanos. Aprende a pensar e a julgar por ti próprio, de forma responsável. (…) O maior erro da minha vida foi acreditar caninamente em tudo o que vinha de cima, sem ousar a menor dúvida. (…) Em tudo o que fizeres, não te guies apenas pela inteligência, escuta sobretudo a voz que fala no coração».

Neste mundo, ferido novamente por guerras dolorosas e insensatas, fez-me bem conhecer este exemplo de como os gestos de bondade realizam curas maravilhosas.

José Maria André
Professor do I. S. Técnico

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PRIMEIRA PÁGINA

PUBLICIDADE

WhatsApp Image 2024-06-03 at 12.09.27
Publicidade-donativos

NOTÍCIAS RECENTES

AGENDA CULTURAL

No data was found