Opinião

Banner_FlemingOliveira

Trabalho mas com direitos

É indiscutível que o trabalho desempenha um papel de essencial relevância no homem social.
O trabalhador é visto como pessoa responsável, honesta, íntegra e comprometida com a sociedade e quem não trabalha (isto não é uma generalização), acaba por ser reputado pelo amigo louro e de olhos azuis, como o oposto. No entanto, e algo paradoxalmente, algumas pessoas que subiram na vida a pulso, são vistas com certa reserva pelos demais cidadãos que questionam como, quando, onde e a quem a pessoa ganhou, roubou, subornou ou sonegou para aí chegar tão alto ou tão depressa. A sociedade portuguesa aceita o sucesso com limites, que ultrapassados (neste momento de desconforto generalizado), leva a questionar a integridade, honestidade e o comprometimento do cidadão, com ela mesmo. Porém, ainda que o trabalho ajude uma pessoa a tornar-se responsável e independente, a imagem de homem trabalhador ainda tem e terá grande impacto aos olhos da sociedade deste Portugal que somos. A coberto do acordo com a Troika, o Governo, tal como o anterior, parece admitir, não rejeitar pelo menos, a desvalorização do trabalho, seja através da diminuição (real) dos salários, seja através do aumento da carga horária, seja através da redução das indemnizações, em suma, um empobrecimento que irá ganhar uma dimensão mais significativa com os cortes nos Subsídios de Natal e de Férias.
Empobrecimento para quem trabalhou toda a vida, estabelecendo confiadamente um contrato com o Estado, e que vê agora esse contrato não ser cumprido, com argumentos que não compreende. Triste sorte a nossa!!! Não, não me reputo um incansável e empedernido esquerdista, mas repudio esta ideia que tem justificado e possibilitado, através de um conjunto de medidas de austeridade, uma brutal desvalorização do trabalho em prol dos interesses do capital financeiro e do aumento, de facto, da exploração.
E, entretanto, vamos continuar a ouvir doutoralmente que é preciso trabalhar mais como a formiga que não a cigarra, que vivemos acima das possibilidades e que é necessário ajustar salários.

Outras notícias em Opinião

  • Lista de compras: uma tarefa para o seu dia

    A população portuguesa, e não só, está a passar por um período extremamente difícil e sensível. A saúde, bem como a saúde, estão em risco.…

  • O que posso fazer para me sentir melhor de quarentena em casa?

    Caro leitor, cara leitora, Durante os últimos dias, tem sido visível a quantidade de notícias que surgem nas televisões e nas redes sociais, sobre o…

  • Testemunho. Uma jovem fala como vive a atual quarentena

    Acho giro como o mundo lá fora anda tão silencioso, as pessoas tão bem-educadas e reservadas. Mas basta um suspiro, um sorriso, um olhar para…

  • Televisão em Alcobaça no início das emissões

    A televisão começou a funcionar regularmente em Portugal em 1957. Mas já há algum tempo se falava do início das emissões, e até se dizia…

  • Nas ruas desertas de Roma

    A imagem tem a força de um filme épico: Francisco caminhando pelas ruas desertas de Roma, para rezar pela cidade e pelo mundo. Saindo a…

  • Papagaios, abutres e gente boa

    As calamidades trazem sempre à tona qualidades e defeitos das gentes que as vivem. Aquela em que nos encontramos já nos “revelou” que há na…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários desta vez são obviamente os…

  • “Una e santa”

    Pelo menos na Eucaristia de Domingo, no Credo, os católicos confessam que confiam na Igreja una e santa mas, perante a quantidade de protestos que…

  • Vamos açambarcar

    Está aí o Covid-19. Como tantas outras alturas de ameaça de crises, vamos lá a açambarcar. Dei por isto na passada semana quando fui ao…

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Os extraordinários da nossa região são do…