Opinião

Banner_AfonsoLuis

Vento ruim

Um vento ruim sopra do outro lado do Atlântico. Ele, porém, foi prometido. Em regra, as promessas dos políticos, em campanha, são tudo menos terríveis. São promessas embaladoras, destinadas a galvanizar os eleitores, mas que lhes provocam, não poucas vezes, uma tremenda desilusão. O cumprimento de promessas eleitorais costuma esfumar-se quando o poder é alcançado. O político que cumpre, uma vez no poder, o que prometeu em campanha, seja ele um modesto autarca ou um supremo magistrado, é digno de apreço. O pior é quando as promessas são prenúncio de vento ruim, de catástrofe, como aconteceu com Donald Trump.
Sendo os Estados Unidos um país dominante do ponto de vista económico e bélico, as promessas do então candidato a presidente, Trump, pareciam desde logo aterradoras. Era o muro a separar a América do México, o fecho de fronteiras, o fim do programa Obamacare, a livre comercialização de armas para os civis, o reverter do acordo sobre o efeito estufa e alterações climáticas, a hostilização de grande número de países. Os confrontos já começaram: na União Europeia, na Palestina, no Irão, na China.
Como foi possível que um homem sempre com ar zangado e com pose ostensivamente ofensiva, tenha chegado a presidente do país mais poderoso do mundo? Os neurocientistas consideram que um grande número de pessoas sofre lesões na parte do cérebro que gera as emoções, muito embora continuem a ser absolutamente normais. Assim, a vitória de Trump não foi a vitória da razão, mas da emoção. Trump apelou sempre às emoções, tal como fazem os populistas europeus, Marie Le Pen e outros. “Há por aí muita raiva!”, gritava Trump. Seria bom que aprendêssemos, nesta velha Europa, com a trapalhada que está a ser este consulado. Seria bom que a razão prevalecesse à emoção. As manifestações estão aí, um pouco por todo o lado, e isso talvez ajude. Embora algumas importantes figuras dos Estados Unidos sustentem que o presidente será destituído mais dia, menos dia, o certo é que as terríveis promessas estão a ser cumpridas uma a uma. Com Donald Trump é assim: cada tiro, cada melro.

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…