Opinião

Banner - OPINIAO afonso luis aposentado

Voltaram os profissionais da greve

Quando as televisões interpelam os utentes dos serviços atingidos por greves obtêm, em regra e infelizmente, respostas como esta, que registei há dias: “Sinto-me muito prejudicada, mas eu compreendo as razões que levaram à greve”. Se me fosse dado exprimir opinião, eu diria mais ou menos isto: “Não compreendo de forma nenhuma as razões de tantas greves que prejudicam, às vezes gravemente, os direitos das pessoas”. E acrescentaria: “Também a minha profissão (fui bancário toda a vida de trabalho) foi afetada pela crise desencadeada em 2008, ficando retidos os vencimentos dos bancários. E a verdade é que não consta que na Banca tenha havido greves.” Isso deve-se, não a uma superior consciência social dos trabalhadores, mas antes ao facto de se tratar de uma atividade privada. Ainda neste ano de 2019, os sindicatos bancários negoceiam há longos meses uma atualização de vencimentos, e os Bancos não estão dispostos a conceder mais de 0,7% de aumento. Significativo! Fossem os Bancos do Estado, e a esta hora já teríamos assistido a múltiplas greves, ou porque teríamos sindicatos dirigidos por um qualquer Mário Nogueira, uma qualquer Ana Aivola ou por outra individualidade do estilo. Pois é, no Estado é uma rebaldaria com as greves a sucederem-se: enfermeiros, médicos, funcionários da justiça, professores, por aí fora. São os funcionários públicos injustiçados relativamente aos trabalhadores do setor privado? De forma nenhuma. A inversa é que é verdadeira. Porquê, então tantas greves? Claro que a greve é um direito nas sociedades livres. Mas recorrer a esse direito constantemente, sem esgotar todas as formas de negociação e de conciliação, torna-se um abuso de que é vítima, invariavelmente, uma boa parte da população.

Outras notícias em Opinião

  • Um caminho por baixo de terra

    Inesperadamente (29 de Junho), o Papa Francisco entregou ao Patriarca Bartolomeu, de Constantinopla, nove fragmentos ósseos de há dois mil anos, provenientes de uma tumba…

  • Casa Museu Vieira Natividade para quando?

    Há uns meses equacionou-se a possibilidade de estabelecer um protocolo entre a DGPC (entidade que gere o Mosteiro de Alcobaça) e o Município de Alcobaça…

  • A “armadilha” da autenticidade

    Escrevo este artigo no dia 1 de Julho de 2019. Inicia hoje mais uma semana, mais um mês e mais um semestre, o 2º semestre…

  • O retrato da aviadora

    O melhor retrato de Guadalupe Ortiz de Landázuri é ao lado de um avião, com uma amiga, em 1932. Um biplano da época, com um…

  • Não faz falta “usted”

    Esta semana, fez escala em Lisboa um amigo que não via há muito tempo e tem a sorte especial de ser argentino (com ascendentes portugueses)…

  • Da igual dignidade humana

    No artigo anterior foram enumerados os princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo «Compêndio»: dignidade da pessoa humana; bem comum; destino universal dos…

  • O braço de ferro

    Numa homilia de Abril, o Papa falou de lutar com Deus até O conseguir vencer. Não é pouco atrevimento, desafiar Deus para um braço de…

  • A desgraça a que chegou o IC2

    A situação em que se encontra o IC2, entre a Zona do Alto da Serra no Concelho de Rio Maior e Alcoentre no Concelho da…

  • Da Doutrina Social da Igreja

    Entende-se por doutrina social da Igreja (DSI) o conjunto de orientações, para os domínios socioeconómico, político e ecológico, provenientes do Evangelho e de toda a…

  • Um amigo de Alcobaça

    Quando, em artigo anterior, registei de forma encomiástica o percurso camoniano glosando o tema do amor entre Pedro e Inês, junto ao rio Alcoa, aproveitei…