Opinião

banner_ines-silva

Recuperar valores em 2017

A quadra natalícia propicia reflexão. Não querendo ser moralista, julgo que, ao olharmos para dentro, podemos perceber que está na altura de recuperarmos valores como amar o próximo.
Vivemos num tempo de horror. No entanto, e apesar de os ataques terroristas nos lembrarem guerras que dilaceraram países, comunidades, raças, famílias, o terrorismo hoje visto no ecrã torna-nos quase imunes à violência. Os ataques acontecem noutros lugares, tendo como protagonistas pessoas anónimas e jovens que são filhos de quem não conhecemos.
Esquecemo-nos de que também temos filhos. Esquecemo-nos de que também educamos jovens. Esquecemo-nos de que todos os dias há “ataques” nas casas de casa um. Há mulheres a morrerem vítimas de violência doméstica. Há familiares que matam familiares por causa de partilhas. Há idosos que morrem sozinhos, escondidos por biombos nos hospitais ou sem a companhia de amigos em casa. E continuamos a fomentar as relações sociais baseados no sucesso dos números – do dinheiro ou dos resultados que se obtiveram na escola. Sim, é surpreendente: é mais fácil apresentarmos aos amigos o nosso filho como sendo um caso de sucesso porque teve 19 a Matemática do que por ser uma pessoa íntegra, respeitadora, generosa. Ser o melhor na escola é mais valorizado socialmente do que ser o mais amigo, o mais solidário, o que repugna todas as formas de violência. Este nosso comportamento deriva do facto de não reconhecermos que há muitas formas de terrorismo e que ele existe perto de nós. Ou então, advém da ideia de que, como é um mal cada vez mais presente e, não sabendo nós o que fazer para o evitar, é melhor escamoteá-lo. Ignorá-lo. O fim de um ano e o princípio de outro é o tempo mais propício para olharmos à nossa volta e reconhecermos o terror, o medo, a injustiça como questões a combater com coragem. A dignidade, o não sofrimento, o conforto na vida são matérias a incluir na escola e na vida. “Amar o próximo” poderá ser o sumário.

Outras notícias em Opinião

  • Books & Movies 2018– Festival Literário e de Cinema de Alcobaça

    Um estreito encontro entre artistas e públicos De 8 a 14 de outubro, Alcobaça recebe, pela 5.ª vez, escritores, realizadores e artistas. O Festival Books…

  • A nova Missa

    O Papa Francisco decidiu que, a partir deste ano, a Missa do dia seguinte à festa de Pentecostes passará a ser a memória litúrgica de…

  • O mundo das pedras vulcânicas

    A recente exortação apostólica do Papa Francisco, dedicada à santidade, evoca o curioso romance de Joseph Malègue intitulado “Pierres noires: Les Classes moyennes du Salut”…

  • Mais uma do Papa Francisco

    Por altura do Natal, as televisões noticiavam que o Papa, nos votos da quadra aos seus cardeais, teve esta contundente frase: “Fazer reformas em Roma…

  • Tiques à portuguesa

    Há fenómenos modísticos de linguagem e de outras naturezas que se manifestam ciclicamente na nossa sociedade. Alguns desses fenómenos esfumam-se com rapidez, outros perduram no…

  • A quem incomodam os achados arqueológicos do parque verde?

    Os achados arqueológicos do Parque Verde estão na ordem do dia. Depois de os ter ocultado à vereação e à população durante semanas, a câmara…

  • Verdade ou mentira

    A recente e ainda actual polémica sobre a Caixa Geral de Depósitos, bem mais que colocar na agenda dos dias a questão da honorabilidade da…

  • Vento ruim

    Um vento ruim sopra do outro lado do Atlântico. Ele, porém, foi prometido. Em regra, as promessas dos políticos, em campanha, são tudo menos terríveis.…

  • Caracteres

    Por razões que os enganos sempre explicam, para aceder à solicitação de colocar em 2.000 caracteres alguma ideia ou reflexão que a actualidade justificasse, dei…

  • Roma Æterna, às portas do Kremlin

    Nos tempos do império romano, falava-se da Roma Eterna, mas foi com o cristianismo que Roma conseguiu verdadeiramente sobreviver à caducidade dos séculos. Inclusivamente, alguns…