Opinião

Banner_AnaCaldeira

A economia da experiência

Os norte-americanos Pine e Gilmore publicaram em 1998 um artigo na Harvard Business Review que os notabilizou.
Nele, os autores defendem que entrámos num novo estádio: depois da fase agrária, industrial e, finalmente, depois da tónica nos serviços, era chegada a economia da experiência.
Mais do que bens ou serviços, os novos consumidores estão em busca de experiências. Se antes se fazia um bolo com produtos caseiros, depois se passou a ir à loja comprar o necessário e, mais tarde, se encomendava um bolo numa pastelaria, hoje em dia é cada vez mais comum fazer a festa de aniversário de um filho num espaço que serve o bolo mas também entretenimento, decoração, etc. Isto é, compramos a ‘experiência’ completa.
Nesta economia, contam as experiências que deslumbram os sentidos, falam ao coração e estimulam a mente. Assim, no turismo, onde a economia da experiência é particularmente evidente, desenvolveram-se os parques temáticos e multiplicam-se os convites como “nadar com golfinhos”, “dormir num hotel de gelo” ou “seguir Oscar Wilde pelas ruas da Londres do seu tempo”.
As experiências é que contam.
É também o que diz a psicologia positiva. Alguns estudos mostram que, a partir de determinado salário, ser-se aumentado não proporciona significativo aumento de bem-estar ou felicidade. Ou seja, são as experiências e a forma como as vivemos que nos fazem felizes. Onde é que nós já ouvimos isto? “Olhai os lírios do campo…” (Mt 6, 28).
A ciência também veio confirmar que “a felicidade está mais em dar do que em receber” (At 20, 35). Segundo um estudo publicado em 2008 na Science, o dinheiro pode comprar a felicidade desde que… seja gasto noutra pessoa. Quando, em resultado de um aumento de ordenado, as pessoas gastaram esse valor adicional em presentes para dar a outros ou para instituições de caridade ficaram mais felizes. Já o contrário não aconteceu. O engraçado é que, quando se lhes perguntou, afirmaram a sua convicção que traz mais felicidade gastar dinheiro consigo próprio. Outra coisa diz o Evangelho e agora a ciência.

Outras notícias em Opinião

  • O Inferno, o Céu e a oração do rico

    O mês de novembro é dedicado aos mistérios do encontro ou desencontro com Deus. Pode ser um encontro feliz, inesgotável e exultante, ou pode ser…

  • Princípio da participação

    Cada um de nós faz parte de uma família; e, em maior ou menor grau, faz parte de uma ou mais associações, outras instituições, empresas,…

  • O valor do Património Cultural

    “Se destruís o passado, destruís a alma. Ficais sem raízes para corrigir o futuro. Os homens foram notáveis pelo que fizeram de notável”. Palavras colocadas…

  • Princípio da subsidiariedade

    O princípio da subsidiariedade baseia-se na dignidade e autonomia de cada pessoa e família, defendendo que as diferentes organizações privadas, com ou sem fins lucrativos,…

  • Destino Universal dos Bens 2166

    Este é o terceiro princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI), depois da igual dignidade humana e do bem comum abordados em artigos anteriores…

  • A festa da alegria

    Nestas últimas semanas, a Igreja lançou, em todo o mundo, um projecto renovado de evangelização. Este mês de outubro foi declarado um Mês Missionário Extraordinário,…

  • Rasoamanarivo

    A 7 de setembro, durante a viagem a Moçambique, Madagáscar e República da Maurícia, o Papa fez questão de visitar o túmulo de Victoire Rasoamanarivo,…

  • Francisco e Bento XVI publicam um livro em parceria

    Os autores são Papa Francisco e Bento XVI, o título é “Não façam mal a nenhum destes pequeninos. A voz de Pedro contra a pedofilia”.…

  • Princípio do «Bem comum»

    A seguir à dignidade humana, o segundo princípio fundamental da doutrina social da Igreja (DSI) respeita ao bem comum, isto é: o conjunto de bens…

  • Perfume de poesia na Igreja Católica

    No próximo dia 5 de outubro, a Igreja passará a contar com mais 13 novos cardeais. Um deles é o português José Tolentino Mendonça, um…