Opinião

Banner_AnaCaldeira

A economia da experiência

Os norte-americanos Pine e Gilmore publicaram em 1998 um artigo na Harvard Business Review que os notabilizou.
Nele, os autores defendem que entrámos num novo estádio: depois da fase agrária, industrial e, finalmente, depois da tónica nos serviços, era chegada a economia da experiência.
Mais do que bens ou serviços, os novos consumidores estão em busca de experiências. Se antes se fazia um bolo com produtos caseiros, depois se passou a ir à loja comprar o necessário e, mais tarde, se encomendava um bolo numa pastelaria, hoje em dia é cada vez mais comum fazer a festa de aniversário de um filho num espaço que serve o bolo mas também entretenimento, decoração, etc. Isto é, compramos a ‘experiência’ completa.
Nesta economia, contam as experiências que deslumbram os sentidos, falam ao coração e estimulam a mente. Assim, no turismo, onde a economia da experiência é particularmente evidente, desenvolveram-se os parques temáticos e multiplicam-se os convites como “nadar com golfinhos”, “dormir num hotel de gelo” ou “seguir Oscar Wilde pelas ruas da Londres do seu tempo”.
As experiências é que contam.
É também o que diz a psicologia positiva. Alguns estudos mostram que, a partir de determinado salário, ser-se aumentado não proporciona significativo aumento de bem-estar ou felicidade. Ou seja, são as experiências e a forma como as vivemos que nos fazem felizes. Onde é que nós já ouvimos isto? “Olhai os lírios do campo…” (Mt 6, 28).
A ciência também veio confirmar que “a felicidade está mais em dar do que em receber” (At 20, 35). Segundo um estudo publicado em 2008 na Science, o dinheiro pode comprar a felicidade desde que… seja gasto noutra pessoa. Quando, em resultado de um aumento de ordenado, as pessoas gastaram esse valor adicional em presentes para dar a outros ou para instituições de caridade ficaram mais felizes. Já o contrário não aconteceu. O engraçado é que, quando se lhes perguntou, afirmaram a sua convicção que traz mais felicidade gastar dinheiro consigo próprio. Outra coisa diz o Evangelho e agora a ciência.

Outras notícias em Opinião

  • As sementes na sua dieta

    O equilíbrio é extremamente importante na dieta diária, bem como o fraccionamento e a diversidade. As sementes são uma opção uma vez que conferem diversidade,…

  • Extraordinários. Manuel Castelhano

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Exalte-se a boa gestão, numa semana em…

  • Vinho contribui para o pão de um milhão de portugueses

    Na agricultura alcobacense de há sessenta e tal anos, não havia semana-inglesa, muito menos americana, que seria considerada uma modernice, sem viabilidade. Só não se…

  • Uma figura que emerge

    O Alcoa noticiou, na última edição, que o novo presidente da CEP (Conferência Episcopal Portuguesa) é o bispo de Setúbal, D. José Ornelas. Tendo tomado…

  • A força de um discurso

    Notável peça de oratória. O discurso do Cardeal D. Tolentino Mendonça, no dia 10 deste mês, tem de tudo: história, filosofia, poesia, teologia… Já tive…

  • Extraordinários. Basílio Martins

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. “O meu general”. Assim lhe chamava o…

  • Recomeço das missas em comunidade presencial

    Depois de todo este tempo em confinamento, durante o qual estivemos privados do acesso direto à Sagrada Eucaristia, todos celebrámos, com muita expectativa, a possibilidade…

  • Consultório de Psicologia

    Tenho filhos em idade escolar que precisam de apoio ao estudo. Como posso apoiá-los de uma forma eficaz? Caro leitor, cara leitora, As crianças são…

  • Os Choctaw e a Covid

    A tribo dos índios Choctaw é a terceira maior tribo de índios norte-americanos, logo depois das tribos Cherokee e Navajo. Entre os anos 1830 e…

  • Joana do Mar

    Isolamento… Quarentena… Distância… Palavras estas mencionadas tantas vezes recentemente, mas que na realidade fazem parte da vida de emigrantes. O meu nome é Joana do…