Opinião

Facebook---OPINIAO Anita Mateus

Casa do Relego: desaparecimento e história

Na vila de Alfeizerão, até há pouco tempo, existia uma casa do Relego. Porém, os seus proprietários decidiram demolir o que restava do edifício. Com isto, a junta de freguesia ou até mesmo a câmara municipal não poderiam intervir. Assim se perdeu mais uma peça do património que chegou até aos nossos dias. Mas o que era a Casa do Relego?
O Mosteiro de Alcobaça detinha vários direitos e um deles era o monopólio do relego. Nos coutos de Alcobaça, este direito seguia as regras do foral de Santarém. Nos três primeiros meses do ano, regra geral, só o mosteiro ou algum rendeiro, podiam vender vinho na taberna. Durante a permanência do monopólio apenas poderia existir em cada localidade uma taberna de porta aberta. Em Alfeizerão, seria esta taberna, construída no século XV, que se localizava na rua do Relego, que tinha permissão para vender o vinho durante o período do relego.
No entanto, também existiam regras para quem infringisse este direito sobre a venda dos vinhos. Segundo o foral de Santarém de 1341, quem cobrasse o monopólio, na primeira e na segunda vez, teria de pagar 5 soldos; contudo, na terceira vez, o vinho seria vertido e todos arcos das cubas seriam partidos.
Com o término do período do relego, os moradores já poderiam vender o seu vinho. Esta situação fazia com que o Mosteiro conseguisse vender o excesso da sua produção vinícola na melhor altura e nas melhores condições. Relembramos que na Idade Média, o vinho não ficava em boas condições durante muito tempo.
Por fim, deixamos uma questão para a reflexão da comunidade alcobacense. Se a Casa do Relego de Alfeizerão fosse património do Estado, será que teria tido o mesmo destino?

Outras notícias em Opinião

  • Um ano de esperança: 2021

    Desejo a todos os leitores, um bom início de ano! Esperemos que seja um ano de liberdade e sem grandes restrições que nos limitem a…

  • Breve consideração sobre “Centro Histórico”

    Os chamados Centros Históricos são locais que nos transportam no tempo e nos permitem imaginar vivências anteriores. Criados em tempos antigos foram, aos poucos e…

  • A eleição do ano

    “As eleições do país mais poderoso do planeta dizem também respeito ao planeta”, escrevi aqui, no dia 12 de Novembro passado. A importância maior destas…

  • Quem aponta a Luz do Mundo?

    No século XVI, a descoberta do alçapão de entrada para umas catacumbas esquecidas, na via Salaria, ofereceu à Igreja um olhar novo sobre a comunidade…

  • Editorial

    O combate à pandemia, como a qualquer crise, evidencia que a solução é a cooperação e não o divisionismo. A vacinação de profissionais de lares…

  • Desafios desta época festiva

    O mês de dezembro é, por norma, uma época de bem-estar, alegria pessoal e familiar. Porém, os convívios natalícios deste ano acabam por estar comprometidos,…

  • Extraordinários. 75 anos d’O ALCOA

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. O mundo vivia uma crise profundíssima, enquanto…

  • Coco, uma opção saudável?

    Será o coco um alimento a integrar na sua dieta? Hidratação, reposição dos sais minerais, regulação do intestino e auxílio no processo de emagrecimento são…

  • O orçamento municipal

    Ouvimos grandes discussões políticas sobre o Orçamento de Estado todos os anos e sabemos que ali estão definidas regras com impacto nas nossas vidas. O…

  • Heranças e tradições familiares

    As heranças e tradições criam memórias inesquecíveis que carregamos, mesmo que inconscientemente. Se fizer uma viagem ao passado, irá ter memórias de infância relativas aos…