Opinião

Banner - OPINIAO Carlos Bonifacio

Correr atrás do prejuízo!

Os dados recentes do INE colocam Alcobaça como o 29.º concelho do país, em 308 municípios, onde o desemprego mais cresceu (+52%) e a perder população desde 2012, que levanta problemas sociais complexos. Estamos a viver tempos excepcionais que exigem coragem e capacidade na ação política.

Repito há muito a necessidade de a câmara tratar do que é essencial, mas ando a falar sozinho nas reuniões de câmara sobre esta minha preocupação. É preciso redefinir as prioridades e apostar em obras e investimentos que possam atrair e fixar pessoas. É fundamental investir urgentemente nas áreas de localização empresarial, como a Área Industrial de Benedita. Mas esta determinação não pode ficar circunscrita a este projecto, deve chegar à ampliação da Zona Industrial das Alvas em Pataias, que se encontra num impasse tendo a câmara deixado caducar a desafectação dos terrenos da zona florestal. Mas também a zona industrial nos Calços na Martingança, “paredes-meias” com a Marinha Grande necessita de um apoio ao nível do saneamento, dos arruamentos e iluminação. A zona Industrial do Casal da Areia encontra-se nesta altura com uma taxa elevada de ocupação de lotes. O Município deve pensar antecipadamente numa solução que passe pela sua ampliação sob pena de termos um problema a médio prazo.

Mas não é só o desenvolvimento económico que deve merecer atenção, sou defensor há anos, da construção de uma infra-estrutura no Mercado Municipal para receber os milhares de turistas que anualmente chegam à cidade de Alcobaça. É preciso olhar de frente para esta área e procurar novas oportunidades para fixar turistas e gerar negócios.

Estes são alguns exemplos que a Câmara há muito devia ter dado prioridade, agora é correr atrás do prejuízo dado que somos o concelho que mais perde população em comparação com os concelhos vizinhos.

Outras notícias em Opinião

  • Alimentação versus ansiedade

    A população mundial está a viver dias desafiantes e difíceis relativamente à pandemia do vírus Covid-19. Existem restrições e limitações a nível do quotidiano e,…

  • Igreja da N. Sr.ª dos Prazeres: medievalidade e presente

    Recuemos até ao século XIII à vila de Aljubarrota, uma das catorze vilas dos Coutos Alcobacenses. Nesta localidade, na época, existira um templo que é…

  • Fui ao teatro e ELAS encheram a sala!

    Há tempo falaram-me de um grupo de mulheres que faziam teatro amador e que, cada vez que ELAS se propunham pôr uma peça em palco,…

  • Romã e tangerina

    A romã e a tangerina são duas frutas do outono. De cores diferentes mas com uma densidade nutricional muito semelhante. Os bagos da romã vermelhos…

  • A importância de uma eleição

    Quando se fala das eleições norte-americanas, não podemos dizer: é lá com eles. Não. As eleições do país mais poderoso do planeta dizem também respeito…

  • A nossa herança gastronómica e o tempo presente

    Se não vivêssemos tempos tão difíceis, fruto de uma pandemia, estaríamos por esta altura a inaugurar a Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais no…

  • Extraordinários. Mães

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. A minha mãe, que já não nos…

  • Os privilégios da terceira idade

    Sabe-se que Portugal é um pais constituído maioritariamente por idosos, que contrastam em grande número com a população mais nova. Hoje trago-vos um desafio para…

  • Saiba mais sobre os frutos secos

    A ameixa, o figo e as uvas secas são uma forma diferenciada de comer fruta. Porém, é importante ter a consciência que a forma seca…

  • Extraordinários. Profissionais de saúde

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. No dia seguinte a um tratamento que…