Opinião

Banner - OPINIAO Jose maria Andre_professor

Jesus a espreguiçar-Se

Quando o Papa fez 83 anos (17 de dezembro passado), ofereceram-lhe uma estampa que sintetiza o seu programa pastoral: a santidade “della porta accanto”, a santidade “ao pé da porta”, do dia-a-dia, da simplicidade do quotidiano. O Papa falou dessa estampa na audiência do dia seguinte, a dezenas de milhares de peregrinos, e partilhou a fotografia na sua conta do Instagram.
O Natal continua a ser uma revolução na história das religiões. Em vez de nos propor o modelo do herói ou do sábio, Deus fez-Se bebé. Talvez soe melhor dizer que Deus Se fez homem, mas, de facto, fez-Se bebé. Espreguiçou-Se, adormeceu, aprendeu a andar, passeou, balbuciou palavras, como qualquer bebé. Jesus assumiu o dia-a-dia, sem pensar que as coisas simples fossem demasiado simples para Deus.
As figuras do presépio são a imagem acabada de uma banalidade que está chamada a ser santa. A Carta apostólica que o Papa assinou no dia 1 de dezembro de 2019, em Greccio, intitula-se justamente “Admirabile signum” (sinal admirável), porque o presépio é um sinal simples e maravilhoso da fé cristã. Os deuses pagãos representam-se solenes e poderosos, assentes em tronos ou com gestos imperiais, o Deus cristão apresenta-Se ao colo da mãe, ou deitado na manjedoura.
A estampa que ofereceram ao Papa no dia de anos chama-se “Lasciamo riposare mamma” (deixemos a mãe descansar). Francisco disse aos peregrinos na praça de S. Pedro que esta cena, tão íntima e caseira, o comoveu porque reflete a mensagem cristã do presépio: “‘Deixem a mãe descansar’ é a ternura da família e do casal. (…) Podemos convidar a Sagrada Família para nossa casa, onde há alegrias e preocupações, onde cada dia acordamos, tomamos as refeições e descansamos junto das pessoas mais queridas. O presépio é um ‘Evangelho doméstico’”.
Há momentos em que Deus realiza milagres, mas parece haver algo errado se não os realiza, pela nossa tendência a rejeitar a normalidade: “Não é este o filho de José?”, “o filho de Maria?”, “aquele que vive connosco?”… Pelo contrário, Deus abençoa a normalidade. A mãe santa de Jesus cantava, sorria, trabalhava e, cansada, adormecia. Bendito sono! Bendito José, seu marido, que velava o sono de Maria e entretinha Jesus para que ela não acordasse!
Poucos dias depois de ter celebrado o nascimento de Jesus, a Igreja celebrou, dia 29, a festa da Sagrada Família. Não se acredita que Deus possa estar presente na insignificância de uma família normal? Pois é mesmo aí que Deus está.

Outras notícias em Opinião

  • Editorial. Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, uma pessoa extraordinária em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Há mais de duas décadas, trabalhava…

  • Michael Nnadi: 18 anos

    Nos anos 90, conheci dois padres do Ruanda. Um não tinha notícias da família há muito tempo, outro acabava de saber que todas as pessoas…

  • Aquilo que é

    Aquilo que é a língua portuguesa deixa-nos às vezes confundidos com aquilo que é a forma de falar de uns tantos. Modas… Começa nos meios…

  • Extraordinários

    Neste 2020, em cada edição, uma pessoa extraordinária em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. Em vésperas do Dia dos Namorados,…

  • Valores Sociais

    A doutrina social da Igreja (DSI) tem como orientações básicas seis princípios e quatro valores: os princípios, abordados nos artigos anteriores, são a dignidade humana,…

  • Seitas e Movimentos Religiosos

    Que as seitas são altamente prejudiciais à sociedade, todos reconhecem. Muitas pessoas, sobretudo entre os jovens, têm sido captadas por redes sectárias. Pensam, ingenuamente, que…

  • Um conto de Natal | As dúvidas de Renato

    Renato frequentava um curso superior, na cidade. Os pais viviam na aldeia. Eram crentes. Renato nem por isso. As aulas na Faculdade e a vida…

  • Princípios sociais, numa visão de conjunto

    Nos últimos artigos, foram apresentados os seis princípios da doutrina social da Igreja consagrados no respetivo Compêndio de 2004: dignidade humana; bem comum; destino universal…

  • A carta de Greccio

    S. Francisco de Assis foi pela primeira vez a Greccio por volta de 1209, numa altura em que a pequena cidade sofria o ataque de…

  • O Vaticano e as divindades pagãs

    A ideia de construir um museu nasceu há mais de cinco séculos na cabeça de alguns Papas. A palavra «museu» não existia e, menos ainda,…