Opinião

Facebook---OPINIAO-MÁRIO-BARREIRO---Cópia

Recomeço das missas em comunidade presencial

Depois de todo este tempo em confinamento, durante o qual estivemos privados do acesso direto à Sagrada Eucaristia, todos celebrámos, com muita expectativa, a possibilidade de voltar a participar na santa missa, presencialmente e em comunidade.

A Eucaristia é sempre um dom, uma graça de Deus que se volta a oferecer a todos e a cada um de nós; é o momento, aqui e agora, em que a entrega de Jesus Cristo por todos e por cada um de nós se torna presente.

Como todos os Sacramentos, a Eucaristia também tem uma dimensão física. Na Eucaristia, Jesus Cristo chega até nós através dos sentidos, para que O possamos realmente ver, para que O possamos realmente escutar, para que O possamos realmente sentir e até para que possamos realmente saborear a Sua Presença, no meio da Sua Igreja.

A participação na santa missa tem sempre uma dimensão comunitária: a Eucaristia foi instituída pelo próprio Jesus Cristo como origem, como fonte, como alimento da Sua Igreja, mas também como meta e destino da comunidade dos cristãos, durante a sua caminhada terrena.

Não se trata apenas de um ato cultural, não se trata apenas de um encontro de amigos e de irmãos que celebram a mesma fé, não se trata apenas de um memorial, de uma recordação da paixão, morte e ressurreição de nosso senhor Jesus Cristo. A Eucaristia é constitutiva da Igreja, é de onde provém a força que sustenta e que conduz a nossa Igreja, num percurso que teve início há mais de dois mil anos e que continuará até ao fim dos tempos.

Mesmo em tempos de feroz perseguição, os católicos continuaram e continuam, infelizmente, a arriscar a sua própria vida para poderem aceder à Vida que Jesus nos quer transmitir e reforçar na Sagrada Eucaristia.

Durante o período de confinamento os católicos souberam dar provas de uma disponibilidade e de um espírito de sacrifício que não tenho a certeza que tenham sido inteiramente compreendidos por quem olha para a santa missa sem a luz da fé. A Igreja Católica reinventou-se e procurou mitigar a fome e a sede do Banquete Eucarístico através da transmissão pela rádio, pela televisão, pelas redes sociais e pelas plataformas digitais de todo o tipo de celebrações religiosas. Para nós, crentes, foi como poder telefonar a um familiar querido, de quem estávamos cheios de saudades – foi sendo melhor do que nada, mas esses “telefonemas” nunca conseguiram, nem nunca conseguirão, substituir os abraços apertados que os nossos corações pediam e que os nossos espíritos ansiavam.

O reinício festivo e solene das missas abertas a todos os fiéis decorreu com tranquilidade, com segurança, e com a responsabilidade que foi caracterizando a ação do povo católico durante este longo período de provação.

Quer ao nível da Conferência Episcopal, quer ao nível de cada paróquia, tudo foi pensado e preparado para que os fiéis possam, presencialmente e em comunidade, acolher este Deus que se quer continuar a fazer presente na Sua Igreja e em cada um de nós.

Outras notícias em Opinião

  • Alimentação versus ansiedade

    A população mundial está a viver dias desafiantes e difíceis relativamente à pandemia do vírus Covid-19. Existem restrições e limitações a nível do quotidiano e,…

  • Igreja da N. Sr.ª dos Prazeres: medievalidade e presente

    Recuemos até ao século XIII à vila de Aljubarrota, uma das catorze vilas dos Coutos Alcobacenses. Nesta localidade, na época, existira um templo que é…

  • Fui ao teatro e ELAS encheram a sala!

    Há tempo falaram-me de um grupo de mulheres que faziam teatro amador e que, cada vez que ELAS se propunham pôr uma peça em palco,…

  • Romã e tangerina

    A romã e a tangerina são duas frutas do outono. De cores diferentes mas com uma densidade nutricional muito semelhante. Os bagos da romã vermelhos…

  • A importância de uma eleição

    Quando se fala das eleições norte-americanas, não podemos dizer: é lá com eles. Não. As eleições do país mais poderoso do planeta dizem também respeito…

  • A nossa herança gastronómica e o tempo presente

    Se não vivêssemos tempos tão difíceis, fruto de uma pandemia, estaríamos por esta altura a inaugurar a Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais no…

  • Extraordinários. Mães

    Neste 2020, em cada edição, pessoas extraordinárias em algum aspeto da sua vida, com ligação à nossa região. A minha mãe, que já não nos…

  • Os privilégios da terceira idade

    Sabe-se que Portugal é um pais constituído maioritariamente por idosos, que contrastam em grande número com a população mais nova. Hoje trago-vos um desafio para…

  • Saiba mais sobre os frutos secos

    A ameixa, o figo e as uvas secas são uma forma diferenciada de comer fruta. Porém, é importante ter a consciência que a forma seca…

  • Correr atrás do prejuízo!

    Os dados recentes do INE colocam Alcobaça como o 29.º concelho do país, em 308 municípios, onde o desemprego mais cresceu (+52%) e a perder…